As zonas húmidas, embora representem uns escassos 2% da superfície continental terrestre, são ecossistemas chave para a preservação da diversidade biológica, para a regulação do ciclo hidrológico e regulação climática, para a prevenção de fenómenos meteorológicos extremos, como as inundações, protecção costeira e para a alimentação humana.

 Apesar de Portugal possuir uma rede muito significativa de áreas classificadas para a conservação das zonas húmidas e de ter sido efectuado algum esforço na sua preservação, continuam a subsistir lacunas na sua efectiva salvaguarda no longo prazo, face a um conjunto de ameaças que cumulativa e sinergicamente podem degradar o património e diminuir o fornecimento de serviços de ecossistema.

O FAPAS, como entidade não governamental de ambiente especializada em temas da biodiversidade e dos ecossistemas, pretende realizar as seguintes acções:

 

- monitorizar e avaliar o estado de conservação e as ameaças que incidem sobre os estuários e as lagunas costeiras, nomeadamente sobre a Barrinha de Esmoriz/Lagoa de Paramos, sobre a Lagoa da Sancha (Santiago do Cacém), sobre o estuário do rio Mira e sobre a Ria Formosa.

Laguna Sancha

 

- dinamizar acções de conservação de turfeiras de montanha e sub-litorais.

Turfeira

 

- dinamizar acções de conservação de charcos temporários mediterrânicos.

Lagoa temporária em Mogadouro (© Paulo Santos)