O azevinho, de nome científico Ilex aquifolium L. é um arbusto muito procurado pela sua grande beleza. De casca cinzenta e lisa, copa densa e folhas rígidas e elípticas, com margem normalmente espinhosa e pontiaguda, esta espécie possui frutos vermelhos e carnosos muito característicos e tentadores. O seu valor ecológico é muito importante uma vez que fornece abrigo e alimento para a vida selvagem durante os duros meses de inverno. Se pretender comprar azevinho, certifique-se que está a fazê-lo legalmente. O Decreto-Lei n.º 423/89, de 4 de Dezembro - proíbe, em todo o território do continente, o arranque, o corte total ou parcial, o transporte e a venda de azevinho espontâneo, Ilex aquifolium L.
Segundo instruções do Instituto de Conservação da Natureza, todos os vendedores devem ter um certificado em como o compraram a um videirista autorizado pelos serviços florestais a fazer cultura da espécie. Esse documento, uma espécie de bilhete de identidade é essencial para que alguém o possa vender, pois é a única prova em como não foi apanhado indevidamente.
O FAPAS apela à responsabilidade dos cidadãos para evitar também o corte de árvores e de outras espécies de flora.
O corte descontrolado de árvores é prejudicial à sustentabilidade ambiental. Também a manutenção do musgo que cresce nas rochas, solos e casca das árvores, é fundamental na medida em que contribui para a formação e conservação dos solos, bem como para evitar a erosão, pois retém água e favorece a germinação das sementes.